×
Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
21 de mar. de 2022
Tempo de leitura
2 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Valentino recupera nível anterior à pandemia em 2021

Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
21 de mar. de 2022

Depois de um ano de 2020 fortemente afetado pela pandemia de Covid-19, a Valentino recupera em 2021. A casa de luxo italiana anuncia ter voltado aos lucros no ano passado, após ter sofrido um prejuízo líquido de 127 milhões de euros em 2020. "O resultado líquido e o resultado operacional (Ebit) estão ambos em alta em relação a 2019", indica a marca, explicando que não pode comunicar estes números por enquanto, visto que o balanço ainda não foi aprovado.


A mais recente coleção de pronto-a-vestir, apresentada em Paris em março - Valentino

 
Em 2021, o seu volume de negócios sobe para 1,23 mil milhões de euros, saltando 39,5% em relação a 2020. O crescimento foi de 41% a câmbio constante e de 3% em relação a 2019. Apenas no quarto trimestre, as vendas aumentaram 11% em relação ao último trimestre de 2019 e 29% só na rede de distribuição de retalho. "Dezembro de 2021 foi o mês de maior sucesso na história da casa romana", indicou a Valentino em comunicado.
 
Este fim de ano bastante positivo pode ser explicado pelo aumento das vendas a preço integral, pelo reforço de um serviço de concierge personalizado, incluindo online, permitindo ao cliente usufruir de uma experiência sob medida, mas também, e sobretudo, pelo reposicionamento em direção ao topo de gama realizado há dois anos pelo CEO Jacopo Venturini. Paralelamente, a marca continua a expandir a sua clientela para as gerações mais jovens. Europa, América do Norte e Médio Oriente registaram as taxas de crescimento mais elevadas.

O peso do canal de retalho é cada vez mais importante, atingindo 57% das vendas totais. “O objetivo, a longo prazo, é atingir 70% até 2024-2025”, especifica a casa, que está presente em 100 países através de mais de 200 lojas próprias. Em 2021, inaugurou 15 novos pontos de venda e, para 2022, planeia 21 novas aberturas, especialmente na China e na Ásia, mas também na Europa.

A loja online da Valentino mais do que duplicou de tamanho, passando de 5% das vendas a retalho em 2019 para 16% dois anos depois. As vendas online registaram um aumento de dois dígitos em relação a 2020 e de três dígitos em relação a 2019. Um aumento que levou o grupo, detido pelo fundo de investimentos do Qatar Mayhoola, a recuperar o controlo interno do seu e-commerce, gerido até então pela Yoox Net-a-Porter. A transição começou em fevereiro, indicou a casa.
 
Paralelamente, a participação das vendas por atacado foi reduzida e otimizada (41% das vendas totais), contando a Valentino com mais de 1600 clientes multimarca em todo o mundo.
 
No ano passado, as vendas da Valentino foram impulsionadas principalmente pelos acessórios, que respondem por 66% da totalidade da receita, com o pronto-a-vestir a pesar 32% e as demais categorias 2%. A atividade de perfumes e beleza, gerida sob licença pela L'Oréal, viu as suas vendas dispararem 97% em 2021.

Copyright © 2022 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.