×
Por
Reuters API
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
12 de mai. de 2020
Tempo de leitura
3 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Vendas globais de luxo vão diminuir entre 50% e 60% no segundo trimestre

Por
Reuters API
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
12 de mai. de 2020

As vendas globais de artigos de luxo diminuirão entre 50% e 60% no segundo trimestre, apesar das reaberturas de lojas em alguns países e dos sinais de recuperação no mercado chinês, informou a consultoria Bain.


ALVMH, proprietária da Louis Vuitton e da Dior, informou que as vendas na China continental aumentaram 50% - DR


A crise do novo coronavírus, que atingiu a China no final do ano passado antes de se espalhar pelos demais países do mundo, manteve os compradores em casa e forçou retalhistas a fecharem lojas, resultando numa paragem esmagadora numa década de crescimento espectacular para marcas de luxo.

Com o declínio de abril a junho, atingindo uma queda estimada de 25% nos três primeiros meses do ano, a Bain espera que as vendas globais de bolsas, roupas e cosméticos de luxo encolham entre 20% e 35% em 2020, em comparação com a estimativa anterior de uma redução de 15% a 35%. A consultoria, que produz previsões seguidas de perto, para o sector, diz que se arrastará até 2022/ 2023 para que as receitas retornem aos níveis de 2019, estimados em 281 biliões de euros.

Num relatório publicado em abril, a consultoria McKinsey disse que a indústria de artigos de luxo pessoais deve contrair entre 35% e 39% este ano. Se as lojas permanecerem fechadas por dois meses, aproximadamente 80% das empresas de moda listadas na Europa e na América do Norte estarão "em estado de dificuldades financeiras", disse McKinsey.

Uma recente recuperação na China, onde o bloqueio foi gradualmente diminuído desde março, está a ajudar a compensar parte do declínio na Europa e nos EUA, onde as lojas de artigos de luxo devem reabrir na segunda quinzena de maio.

Segundo a Bain, as marcas com melhor desempenho já estão a registar um aumento de vendas em relação ao mesmo período do passado na China. O tráfego das lojas quase caiu pela metade em relação ao ano passado, mas as pessoas que se aventuram estão mais inclinadas a comprar, e o gasto médio também aumentou.


Louis Vuitton e da DiorDior, Hermes, Hugo Boss e Louis Vuitton, entre outras marcas de luxo, recuperam as vendas na China - Dior


Recuperação na China

A Bain não deu nome às marcas, mas a LVMH, proprietária da Louis Vuitton e da Dior, informou que as vendas na China continental aumentaram 50% durante as primeiras semanas de abril, enquanto a Hermès também relatou uma forte recuperação na China.

Hugo Boss também informou que está a observar sinais de recuperação nas vendas tanto na China, como online, mas registou uma queda de 17% nas vendas totais no primeiro trimestre e prevê uma diminuição de 50% no segundo trimestre. "Se um cliente vai à uma loja, há uma motivação muito boa para comprar", diz Federica Levato, sócia da Bain.

Os compradores chineses representaram 35% dos gastos globais de luxo em 2019, e a Bain espera que a sua influência no sector cresça ainda mais nos próximos anos, respondendo por quase metade de todas as vendas de luxo em 2025.

Com a expectativa de que as viagens globais não retornem aos níveis normais, durante dois anos, os consumidores chineses que costumavam fazer a maior parte das compras de luxo no exterior estarão a comprar em casa, acelerando uma tendência que já estava em andamento.

Pequim cortou impostos de importação e impostos sobre vendas, corroendo a vantagem competitiva de preços em destinos como Londres e Nova Iorque, enquanto Hong Kong - há muito tempo um imã de compras para chineses do continente - perdeu o brilho, após os meses de protestos que aconteceram no ano passado.

"Com certeza, o repatriamento de compras na China será mais rápido", diz Levato, acrescentando que a moral do consumidor também deve recuperar mais rapidamente na Ásia do que na Europa ou nos EUA atingidos pela recessão.

Se as marcas de luxo puderem atender os clientes na China, com o mesmo nível de serviço, e oferecerem a mesma experiência (que normalmente ofereceriam no exterior), estas poderão recuperar a maior parte do que estão a perder em termos de turistas chineses que já não compram na Europa ou EUA", garante.

A Bain espera que mais de metade das compras de artigos de luxo, feitas por consumidores chineses, ocorram na China até 2025.
 

© Thomson Reuters 2021 All rights reserved.