×
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
12 de set. de 2022
Tempo de leitura
3 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

VF Corp vai demitir 600 funcionários

Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
12 de set. de 2022

“Continuo impressionado com a nossa equipa, cuja paixão, perseverança e execução continuam a impulsionar o nosso sucesso.” Esta declaração, feita no final de julho por Steve Rendle, CEO da VF Corp., quando o grupo norte-americano apresentou os seus resultados do primeiro trimestre de 2022/23, não prenunciava de forma alguma a decisão que Rendle tomou em setembro.


Steven Rendle, CEO da VF Corp. - VF Corp


Na semana passada, a equipa da empresa americana – proprietária das marcas Vans, The North Face, Timberland, Dickies e Supreme – recebeu uma carta de Rendle a anunciar que 600 empregos em escritórios serão cortados, segundo informações do Denver Business Journal. O jornal informou que 300 desses cortes estão relacionados a cargos atualmente preenchidos e os outros 300, que foram abertos pelo departamento de RH. Como a VF Corp tem cerca de 35.000 funcionários em todo o mundo, os cortes de empregos afetarão 1,7% da sua força de trabalho total.

Contatada pela FashionNetwork.com, a VF Corp. declarou: “Podemos dizer que não houve impacto desproporcional num site ou região específica. O impacto na região EMEA não é maior do que a rotatividade média de funcionários orgânicos ao longo de um ano. Cortar empregos é uma decisão, que nunca tomamos de ânimo leve, mas acreditamos que é um passo necessário para alinhar a nossa equipa e capacidades com as nossas mais altas prioridades estratégicas.”

No último trimestre do seu ano fiscal, encerrado no dia 2 de julho, as vendas da VF Corp. aumentaram 3%, para 2,262 mil milhões de dólares (+7% em moeda local). No entanto, o grupo ficou muito aquém do seu desempenho pré-crise, quando as suas vendas trimestrais foram de 2,583 mil milhões de dólares. O déficit deve-se, principalmente, ao fraco comércio na China, prejudicado pelos lockdowns relacionados com os surtos de COVID-19, que provocaram uma queda de 20% nas vendas na região Ásia-Pacífico. No mesmo período, as vendas da Vans caíram 7%, para 947 milhões de dólares, e as da Dickies caíram 15%, para 170 milhões de dólares, enquanto as da The North Face cresceram 31%, para 481 milhões de dólares, e as da Timberland, 8%, para 269 milhões de dólares.

As vendas diretas ao consumidor, um dos pilares da estratégia de negócios da Rendle, caíram 7%, enquanto a receita de comércio grossista cresceu 13%.

Nada alarmante, mas tanto o lucro líquido como o lucro operacional do grupo ficaram no vermelho. O preço das ações da VF Corp., que vinha a cair desde abril, diminuiu ainda mais desde a publicação dos resultados trimestrais, somando uma queda de 45% ao ano. Uma situação que pode ter levado à decisão da alta administração de cortar empregos.

De acordo com o Denver Business Journal, Rendle afirmou que a administração tinha de adotar “uma abordagem estratégica e ponderada para as novas funções daqui para frente”, enquanto o grupo deve “considerar as suas prioridades estratégicas e o nível de recursos necessários para apoia-los.” E acrescentou: “O nosso objetivo primordial é impulsionar o crescimento consistente em toda a nossa família de marcas. Através de estratégias claras e focadas, a paixão e as capacidades do nosso pessoal e a orientação fornecida por líderes capazes, impulsionaremos o crescimento e traçaremos o próximo capítulo para a VF.”

O grupo ainda não fez nenhum anúncio formal sobre esses tópicos. O seu dia do investidor, em que a alta administração costuma dar indicações sobre os planos do grupo, pode ser uma oportunidade de atualização. Será no dia 28 de setembro, na sede da VF Corp. em Denver, Colorado.
 

Copyright © 2022 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.