×
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
3 de mai. de 2019
Tempo de leitura
3 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Virginie Viard apresenta a sua primeira coleção para a Chanel

Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
3 de mai. de 2019

Desde fevereiro, Virginie Viard tem a difícil missão de atuar como diretora artística da Chanel, cargo que era de Karl Lagerfeld. A designer apresentou na sexta-feira (3) em Paris a primeira coleção concebida inteiramente por si para a marca francesa de luxo. O desfile Cruise 2019-20 concentrou-se no tema “viagem" e deu a impressão de marcar mais uma fase de transição do que um novo começo.


Chanel, coleção Cruise 2019-20 - ph Dominique Muret


Para enfatizar esta nova era na história da maison, que foi conduzida por 35 anos pelo designer alemão, a Chanel escolheu como decoração para este primeiro desfile de moda pós-Karl Lagerfeld uma estação ferroviária. Uma escolha simbólica, mas também ligada à assinatura que evocou mais de uma vez as viagens nas suas coleções. No entanto, esta estação foi um pouco escassa, com apenas uma longa fileira de bancos nas plataformas onde os convidados se instalaram em frente a pistas vazias. Esta cena parecia romper com o imaginário extravagante e as instalações estratosféricas às quais a marca nos habituou.

Uma decoração que foi perfeitamente adequada ao Grand Palais, que atenuou o estilo do monumento para recriar in loco e sem trompe-l'oeil o espírito autêntico de uma estação do século XIX, com os seus destinos românticos com charme à moda antiga: Veneza, Antibes, Bombaim, Bizâncio... Os controladores usavam boné azul marinho e camisa branca com a imagem da empresa "Chanel Express”.

Como uma metáfora para a mudança, esta estação sem comboios tomava a forma de uma página em branco, enquanto nos bastidores era palpável uma efervescência e opulência. Antes do desfile, o público foi convidado a fazer uma pausa para um café da manhã no Café-Restaurante Le Riviera, desta vez num ambiente completamente reconstruído num restaurante de estação ferroviária estilo Belle Époque do famoso "Comboio Azul" da estação de Lyon.

Depois desta pausa, o público foi convidado a ficar de pé diante dos carris da estação recriados pela Chanel. Da mesma forma, os modelos saíram pela porta do restaurante no rés do chão para se encontrarem diretamente ao pé da estação, prontos para desfilar ao longo das plataformas.

Após as festividades, começou o desfile. O tom foi marcado por uma série de primeiros looks com um visual chique e desportivo, onde os trench coats fluidos foram destaque, usados ​​com calças soltas e bufantes nos mesmos tons, com blusas brancas.


Virginie Viard rejuvenesce o fato feminino da Chanel - ph Dominique Muret


Leggings pretas com estampados de arlequim ou letras Chanel foram combinadas com casacos de tweed em cores vibrantes, como rosa, verde ou vermelho-cereja. Uma pequena carteira acolchoada rosa néon foi usado sobre um fato de lã cinza, enquanto o cardigan às riscas foi acompanhado por um calção branco de algodão.

Aquela que foi o braço direito de Karl Lagerfeld desde 1997, conhece a Chanel como a palma da sua mão. Portanto, foi com grande habilidade que Virginie Viard redefiniu com pequenos toques o novo guarda-roupa da marca francesa histórica, através de modelos mais sóbrios, limitando os motivos decorativos, modernizando os cortes, preservando os códigos da Chanel e o estilo inserido pelo seu mentor durante mais de três décadas.

Encontramos, por um lado, fatos Chanel clássicos em tons creme ou em cores mais vibrantes, como o azul elétrico. Estes foram vestidos com um sutiã com um laço gigante, enquanto a saia apareceu muito curta. Por outro lado, a estilista brincou com as assimetrias em vestidos e casacos, assim como com volumes mais fluidos em calças largas.

Copyright © 2021 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.