×
Por
AFP
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
12 de nov. de 2017
Tempo de leitura
2 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Shiseido colapsa no terceiro trimestre devido à subsidiária americana

Por
AFP
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
12 de nov. de 2017

A empresa japonesa de cosméticos comunicou na quinta-feira (9) que registou uma perda líquida devido à redução de ativos nos Estados Unidos, e registou crescimento significativo na sua atividade nos primeiros nove meses do ano, impulsionada pela Ásia.


Shiseido


Ao mesmo tempo que manteve as suas projeções de crescimento anual de receita e lucro operacional, o grupo reduziu novamente a sua previsão anual de lucro líquido pela segunda vez em menos de dez dias.

A marca espera um modesto lucro líquido anual de 5 mil milhões de ienes (38 milhões de euros). A 1 de novembro, a Shiseido já havia reduzido a sua previsão para 10 mil milhões de ienes, dos 32.5 mil milhões de ienes esperados anteriormente.

A causa  foi a redução de ativos da subsidiária americana Bare Escentuals, especializada em cosméticos naturais à base de minerais para 70,7 milhões de ienes (553,19 milhões de euros), 5 mil milhões de ienes a mais do que havia sido anunciado a 1 de novembro.

Estas baixas levaram a Shiseido ao vermelho, com uma perda líquida de 17 mil milhões de ienes (128,69 milhões de euros) em nove meses, em comparação com o lucro líquido de 37,2 mil milhões de ienes (281,6 milhões de euros) alcançado no ano anterior, conforme indicado pela empresa em comunicado.

Apesar disso, a atividade do grupo em si foi em grande parte lucrativa e em expansão: o lucro operacional aumentou 82,4% para 70,7 mil milhões de ienes em nove meses (567 milhões de euros).

O volume de vendas acumuladas nos primeiros nove meses aumentou 17,4% para 731,2 mil milhões de ienes (cerca de 6 mil milhões de euros). As vendas e o lucro operacional devem atingir um recorde em 2017, com 985 mil milhões de ienes (7.456 milhões de euros) e 65 mil milhões de ienes (492 milhões de euros), respetivamente, conforme anunciado a 1 de novembro.

Nos três primeiros trimestres, a atividade do grupo foi bem orientada ao seu principal mercado, o Japão, que representa cerca de 44% das suas vendas. Os consumidores japoneses beneficiaram de uma "uma tendência positiva nos gastos do consumidor, apoiada por uma melhoria no emprego e renda", enquanto o número de turistas estrangeiros ansiosos para comprar no Japão aumentou, disse a Shiseido.

Em termos de vendas, "a China (14,4% do total) e o resto da Ásia continuaram a crescer a um ritmo constante". Por outro lado, "na Europa, o crescimento permaneceu fraco e desigual de um país para outro" e "abrandou" no continente americano (13,5% do volume de negócios total).

Copyright © AFP. Todos os direitos reservados. A Reedição ou a retransmissão dos conteúdos desta página está expressamente proibida sem a aprovação escrita da AFP.