×
Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
12 de jan de 2018
Tempo de leitura
3 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Undercover e The Soloist fecham Pitti Uomo em grande estilo

Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
12 de jan de 2018

Quando dois dos designers japoneses mais interessantes do momento se encontram na Pitti Uomo, o resultado só pode ser positivo. Convidados de honra da 93ª edição do salão masculino, Jun Takahashi, que fundou a marca Undercover, e Takahiro Miyashita, com a sua marca Takahiromiyashita The Soloist, não dececionaram.


Os primeiros looks do desfile da Undercover - Pitti Immagine


Cada um à sua maneira, os designers apresentaram a sua visão dos criadores do futuro. Um futuro próximo, inspirador e inquietante, como resume o título da música do grupo norte-americano Nine Inch Nails The day the world went away (o dia em que o mundo se foi embora), impresso em capas impermeáveis cor de laranja, apresentadas no final da sombria coleção da The Soloist.
 
Os dois japoneses, que apresentaram as suas coleções um após o outro na Stazione Leopolda (onde os modelos apareciam e se evaporavam na escuridão das duas extremidades de uma passarela interminável) não conversaram previamente. Mas, partilhavam claramente os mesmos temas principais: o futuro, a vida ou sobrevivência no espaço ou num mundo contaminado, a necessidade urgente de proteção com macacões, luvas, capas, capacetes e outras máscaras.

No caso de Jun Takahashi, trata-se de grandes impermeáveis em nylon e em vinil com botas grossas (com as palavras “desordem” à esquerda e “ordem” à direita) e luvas de trabalho em borracha. No desfile de Takahiro Miyashita, são sobre-calças e caneleiras em couro ou tecidos técnicos, com capuzes e passa-montanhas de motociclistas que só deixam ver os olhos.

Os exploradores da The Soloist - Pitti Immagine


Outro ponto em comum foi a saia. O primeiro propôs no início do seu desfile uma série de saias longas plissadas em jeito do novo maxi kilt. O segundo utilizou grandes écharpes com franjas ou colchas acolchoadas enroladas sobre as calças.
 
A Undercover inspirou-se em 2001, Odisseia no Espaço, recuperando várias imagens do emblemático filme de Stanley Kubrick, que surgiram impressas em casacos ou t-shirts, além de vários motivos tecnológicos, curvas ou caracteres que adornavam as peças, com mensagens como “Human Error” ou “Computer malfunction".
 
Tiras envernizadas em jeito de bandas refletoras decoravam casacos e impermeáveis com cores vistosas como amarelo ou vermelho. Luvas e chapéus destacavam-se com os seus tons vivos (verde, turquesa, vermelho, etc.).


Os impermeáveis amarrotados dos astronauta todo-o-terreno da Undercover - Pitti Immagine


Por outro lado, na coleção da The Soloist as cores estavam ausentes, à exceção do cor de laranja das mantas de sobrevivência. Aqui, predominavam os tons negros (couro) e brancos (nylon dos casacos, algodão), misturados com tecidos tradicionais masculinos – tweed, príncipe de Gales, pied-de-poule –, aqui utilizados em trajes desconstruídos, sistematicamente recompostos através de um conjunto de cintas e fitas e recobertos com vestuário de proteção.  

Como um explorador dos tempos modernos, o homem imaginado por Takahiro Miyashita nunca sai sem roupa de segurança suspensa nas costas ou à cintura, camuflada por todo o tipo de camadas de roupa e contida por cintas ou outros fechos.  
 
No final do desfile, os modelos de Jun Takahashi, em tronco nu e vestidos com longas saias brancas plissadas, cruzaram-se com os modelos do seu alter ego, vestidos com calças e coletes em couro negro. Todos usavam no braço uma braçadeira na qual se podia ler, mais uma vez, ordem/desordem. Como se a esperança residisse neste frágil equilíbrio entre a ordem e o caos.

Copyright © 2021 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.