×
Publicado em
29 de jul. de 2013
Tempo de leitura
5 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Who's Next: menos Franceses, mais estrangeiros

Publicado em
29 de jul. de 2013

Uma queda na visitação entre os franceses, uma alta entre os estrangeiros. É, em resumo, o que evidencia a empresa organizadora do último Who’s Next, que decorreu de 6 a 9 de julho. De certa maneira é uma satisfação para a WSN Développement. Alguns quase se esqueceram disso, mas depois da compra do salão Prêt-à-Porter Paris, a WSN Développement decidiu antecipar as datas do salão de Paris, de setembro para julho, com o objetivo de se fazer presente no calendário dos compradores internacionais. Há um ano, o Who’s Next havia ocorrido no fim de junho, com um enorme inconveniente para os retalhistas franceses, por conta do fato de cair bem no primeiro fim de semana dos saldões. Resultado: uma forte queda de 8,7% entre os visitantes franceses no salão de Paris. Sem uma real compensação de visitantes estrangeiros.

A alameda central do centro de exposições Porte de Versailles (Foto: Pixel Formula)


Para a edição de julho de 2013, a queda persistiu entre os Franceses, sendo de 7,5% com 27.872 visitantes. A organizadora atribui tal queda às vendas medíocres realizadas no verão, uma vez que demorou bastante para que se considerasse algum dia bom. “Visivelmente, os retalhistas preferiram ficar em suas lojas para garantir o período dos saldões”, destaca o comunicado da WSN. Seguramente, poderíamos dizer, o Who’s Next ocorreu sob um céu promissor para as vendas!

A organizadora ainda fez questão de observar que os compradores de Paris e da Grande Paris eram os mais numerosos com 14.124 visitantes. Contudo, a WSN havia anunciado 15.558 visitantes vindos de Paris e da Grande Paris há um ano.

É preciso observar que alguns expositores chegaram a desejar um retorno do salão para o início de setembro, voltado à clientela francesa. Ou, em todos os casos, uma edição adaptada. Talvez semelhante à Riviera by Mode City, que o salão do beachwear organiza em Cannes no fim do verão, para recuperar os retalhistas do Sul perdidos para o grande salão de julho em Paris!

Resultado, no total, o salão viu seu número de visitantes recuar 5,4% em relação ao ano anterior. A título de comparação, o Pitti Uomo anunciou um avanço de 1,7% no número de visitantes, com certa estabilidade entre os italianos e avanço de 4% entre os estrangeiros. O Premium em Berlim não publica números, mas fica claro aqui e ali uma ligeira queda. Quanto ao Bread & Butter, alguns falam de uma queda de talvez dois dígitos. Karl-Heinz Müller, o organizador, também não publica números.

Who’s Next soube resistir (Foto WSN)


Mais do que a evolução global dos visitantes, é a distribuição deles que, desta vez, é interessante acompanhar. Particularmente pelo fato de que o salão ocorreu uma semana mais tarde que no ano passado para evitar o primeiro fim de semana dos saldões.

Obviamente, isso não traz nada de novo ao Who’s Next em termos de visitação francesa. A tal ponto que alguns expositores levantaram a possibilidade de uma nova antecipação das datas sem que se considerassem os saldões na França, com o objetivo de receber mais visitantes estrangeiros em Paris durante a semana de moda masculina, depois a de alta-costura!

Ainda é preciso saber de que estrangeiros se está a falar. Os números publicados pela WSN levam em consideração uma alta de 18% para a Europa, fora os visitantes franceses, claro. Com 11.676 entradas, o Velho Continente representava mais de 70% da visitação estrangeira. Primeiro país: a Itália com 2.672 visitantes, um número que apresenta um avanço de 10%. É verdade que este contingente havia diminuído em quase 20% no fim de junho de 2012. O segundo país é a Espanha com 1.710 visitantes, um crescimento de 7,7%. Há um ano, a queda no número de visitantes deste país havia sido de... 7,7%. A Bélgica totalizou 1.690 visitantes (+5,8%), a Grã-Bretanha 916 (+9,8%) e a Alemanha 682 visitantes (+10%).

Pelo contrário, entre os visitantes asiáticos (2.548) houve uma queda de 7,7%. Contudo, a Ásia representa 15,3% da visitação estrangeira. Os Japoneses eram 1.532, ante 1.682 em julho de 2012. A clientela chinesa recuou 4,9%, com 538 compradores.

O continente americano representou 6,9% da visitação estrangeira, com 1.146 visitantes. Entre os visitantes americanos também houve recuo de 3,9%, com 446 visitantes.

A WSN destaca que o Oriente Médio registrou o melhor avanço da edição com um crescimento no número de visitantes de 18,1%, chegando a 678 visitantes.

Em outras palavras, o brilho internacional do Who's Next é, primeiramente, europeu. E até mesmo Sul Europeu. Sem dúvida, é nesta óptica que se deve compreender a parceria instituída em termos de entrada única entre os salões de Copenhaga e o salão de Paris. Com o objetivo de variar um pouco mais as clientelas europeias.

Uma coisa é certa. Diante da crise, o Who's Next soube resistir. Aliás, é preciso observar o afluxo de visitantes na alameda central do centro de exposições Porte de Versailles para certificar esta observação.

Apesar de tudo, a organizadora deve ainda encontrar um meio para tornar o evento indispensável. A propósito, o comunicado da WSN Développement levanta a possibilidade de evoluções a serem agregadas, por exemplo, no setor Private, “cujos resultados apresentaram variação em função das marcas e do posicionamento delas”, discorre o comunicado.

Globalmente, seja no setor Fame, seja no Private, as marcas que oferecem coleções básicas a preços baixos, ou produtos de moda verdadeiramente diferenciados, tudo aquilo que a clientela internacional deseja, souberam sair pela tangente.

Mais preocupante é o espaço MR & MRS Brown. Na verdade, é a própria WSN que diz: “O retorno (dos expositores) está meio apagado”. Segundo a organizadora, as marcas lamentam a ausência de mobilização por parte dos visitantes franceses e a falta de curiosidade dos compradores em relação a novos produtos.

É claro, escutando de uns e outros que falta, com certa crueldade, representatividade à oferta verdadeiramente masculina. Qual retalhista masculino poderia se dar por satisfeito diante de uma oferta tão reduzida? Desta realidade, a organizadora do Who's Next está obviamente bem consciente. Resta encontrar a solução...

Copyright © 2021 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.